www.ccdapdl.pt

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte

Trilho dos Contrabandistas

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Avaliação: / 2
FracoBom 

No dia 17 de Abril, estava uma manhã cinzenta. Depois de algum desencontro com o nosso autocarro, lá partimos para uma Epopeia Caminheira, rumo ao Gerês.

Trilho dos ContrabandistasComo já partimos um pouco atrasados, lá fomos a todo o “gás”. Quase não tinhamos tempo para tomar o habitual café e as respectivas tarefas do costume…., o que acabou por ser, já algures em pleno Minho. Prosseguindo viagem, lá chegamos ao nosso destino, entrando pelo Xurês.


Se na meteorologia os tons eram um pouco para o cinzento húmido, nos nossos espíritos de caminheiros havia muita luz e boa disposição.
Iniciamos o trilho, entrando pela Portela do Homem e  com a companhia de uma leve chuva. Mas lá conseguimos atingir o ponto alto, não tendo resistido a subir a torre de observação. Tivemos o privilégio de observar um espectáculo paisagístico lindo para os nossos olhos e saudável para as nossas almas. Os tons de cinza combinavam com todo o ambiente geográfico daquela região do Gerês (céu, montanha, recorte do rio e vales etc.)


Tivemos de alterar o percurso devido às condições climatéricas mas o ânimo e a boa disposição continuaram. Tivemos,  então, o prazer de desfrutar de uma bela paisagem, passando por autênticas “ urbanizações de colmeias” e os diferentes tons da vegetação. Uma autêntica dádiva que a Natureza nos oferece!


Trilho dos ContrabandistasAlmoçamos junto ao antigo posto fronteiriço da Portela.do Homem. E se já tínhamos sentido a falta da Dra. Conceição, durante a parte da manhã,  foi nesta pausa para almoço que ela mais se sentiu, não só mas também pela falta do seu famoso chá com que nos costuma brindar ao almoço.
Se de manhã tivemos por companhia a chuva, da parte da tarde o sol brindou-nos com a sua alegria, o que era maravilhoso pois o percurso terminava nas lagoas do rio Caldo onde nos poderíamos banhar.


Continuando o trilho, pelo Xurês não confundir com Gerês, fomos descendo até as piscinas do rio Caldo, pelo caminho vimos alguns menires megalíticos e outras ruínas da pré-história, testamos a impermeabilidade das nossas botas, observamos uma das modalidades desportivas: o salto em, comprimento, que um dos nossos amigos caminheiros deu ao atravessar uma pequena lagoa.


Chegamos finalmente às Termas do rio Caldo. Enquanto uns foram a banhos, outros foram rumo ao café próximo repor energias.
Era um dia de festa: um dos nossos caminheiros fazia anos. Por isso quando já estávamos todos reunidos, cantamos os parabéns ao Fernando Veludo. E até tivemos direito a um delicioso bolo de chocolate.


Trilho dos ContrabandistasJá refeitos da caminhada e bem satisfeitos, fizemos a viagem de regresso. Houve quem adormecesse, outros nunca se calaram, a chuva teimou em nos fazer companhia, em especial ao passar pela zona de Braga.


Sinto-me feliz por ter este privilégio de caminhar por estes trilhos, na companhia de amigos também eles amantes da Natureza.
Caminhar neste ambiente natural e humano, é um autêntico HINO À VIDA!


Texto gentilmente enviado por Esmeralda Silva


 

Facebook Image

Jogo do Galo